Aumento fatura de água - fonte: Pixabay

8,53% de aumento do custo da água tratada e não para por aí

A notícia não é novidade, mas nesse ano, em meados de junho e julho surgiram grandes polêmicas em relação ao aumento do custo da água tratada oferecida pela concessionária do estado do Paraná. Toda essa discussão surgiu primeiro com o aumento nas taxas de serviços da Sanepar (Companhia de Saneamento do Estado do Paraná) de 25,63%, que será aplicado parcialmente ao longo de 8 anos. Com a primeira parcela já em vigor desde junho, uma média de 8,53% de aumento. E a previsão das demais parcelas seriam de 2,11% por ano, acrescidas de correções monetárias do período de aplicação, com base na taxa Selic.

Junto com esse aumento, a Sanepar fez alterações na cobrança da taxa mínima de consumo da água. Desde o mês de junho de 2017 os usuários da empresa passaram a pagar um valor mínimo de 5 metros cúbicos, mesmo que o consumo seja menor. Anteriormente essa tarifa mínima era de 10 metros cúbicos de água.

Essa decisão de aumento em pleno meio do ano gerou insatisfações entre população, advogados e políticos, que entraram na justiça para conseguir explicações sobre o assunto. A Sanepar vem praticando aumento do custo da água desde 2011, que somados até hoje são quase 124%, enquanto a inflação acumulada no mesmo período, de 6 anos, equivale a menos de 50%. São nove reajustes no valor da tarifa.

Agora de acordo com a determinação do PROCON, Programa de Proteção e Defesa do Consumidor, a Companhia de Saneamento do Paraná, Sanepar, tem que justificar o aumento nas contas de água e esgoto, desde 2011.

De acordo com os deputados responsáveis por protocolar o pedido de investigação da Sanepar, o único objetivo da empresa é o lucro, a empresa está com os olhares voltados apenas para os acionistas privados, que no final são os beneficiados.

Um dos deputados alegou que a política de distribuição de dividendos, é vantajosa para os acionistas, mas extremamente precárias para o consumidor. Os valores que deveriam ser aplicados em investimentos e novas tecnologias, estão sendo divididos parcialmente, entre os acionistas.

A Sanepar se defende, alegando que junto ao último aumento, aplicado em junho, criou também uma taxa mínima, de 5 metros cúbicos, de consumo menor do que a anterior, para beneficiar quem economizar água.

Mas um dos deputados questionadores da investigação alega que essa economia é difícil de ser conseguida. Segundo o parlamentar, para que uma família de 4 pessoas, por exemplo, se encaixe dentro do consumo de 5 metros cúbicos por mês, teria que reduzir o seu consumo de água pela metade do que é indicado pela OMS, Organização Mundial da Saúde.

Além do PROCON, os deputados responsáveis acionaram o Ministério Público para pedir investigações sobre uma suposta informação privilegiada na companhia em questão.

Alguns parlamentares acreditam que houve manipulação de informações privilegiadas na venda de ações da empresa, Sanepar, uma vez que ela sabia que esses sucessivos aumentos do custo da água aconteceriam, mas não divulgou essa informação, a fim de vender suas ações a um preço diferenciado, como se os aumentos não fossem acontecer.

“Para efeito de comparação, se um consumidor tem uma conta anual, para água e esgoto, que gira em torno de R$ 100,00, o aumento estaria entre R$ 70,00 e R$ 80,00. E é claro que ninguém vai entrar com uma ação individual por causa de R$ 80,00, porque dá muito trabalho. Mas se você multiplicar por quase 3 milhões de contas, que é o que nós temos no Paraná, o lucro líquido da empresa, acima dos custos, vai para quase R$ 300 milhões. Somado ao aumento mais recente da água, a Sanepar no ano que vem terá em torno de R$ 1,3 bilhão de lucro”. – citação tirada do site Brasil de Fato.

O caso dos aumentos sucessivos do custo da água tratada no estado do Paraná foi levado, como último recurso, para a OAB, Ordem dos Advogados do Brasil, que efetivou a possibilidade de entrar com uma ação para questionar os reajustes autos e sucessivos.

O argumento principal deles é o de que deveria ter existido audiências públicas em todos os 350 municípios do estado do Paraná, onde a Sanepar concessiona sua água, para que o aumento fosse discutido, e isso aconteceu apenas em um dos municípios.

Aumentos Sucessivos no custo da água – Imagem retirada do pixabay.com

 

Diante do crescente aumento do custo da água tratada no estado do Paraná, e preços cada vez maiores nas contas de água do consumidor, fica evidente a necessidade de se encontrar alternativas mais sustentáveis e viáveis economicamente para o uso da água.

A captação e reuso de água da chuva se torna uma saída excelente, ainda mais por se tratar de um dos estados brasileiros onde as chuvas são mais recorrentes. O investimento na implantação e manutenção de uma cisterna se pagará ao longo de 6 meses em casos de reservatórios pequenos e mais simples. E a economia na conta de água pode chegar a mais de 60% em menos de um ano.

Promover a captação e o reuso de água da chuva é muito mais simples do que parece, basta à instalação de um sistema simples de calhas e uma cisterna com filtro para o armazenamento e higienização básica da água captada é possível conseguir grandes benefícios sustentáveis, ecológicos e econômicos.

A água coletada não se tornará potável, mas poderá ser usada para diversos fins que não a ingestão, preparação de alimentos e banhos. As economias são extremamente significativas, e essa pode ser uma excelente alternativa para se reduzir o impacto do recente aumento do custo da água tratada.

Fontes: Paraná RPC – G1 e Brasil de Fato

#PorUmMundoMelhorHoje

Essas informações foram úteis? Curta, comente e compartilhe com outras pessoas!
E você está aproveitando a água da chuva? Escreva nos comentários o que você está fazendo.

4 Comentários

  1. Nós sempre fomos roubados pela Sanepar,em certa ocasião questionei a empresa porque eu gastava 5mts.ê pagava10mts.culparam a OMS agora reduziram para 5mt.ê culpa é de quem?O esgoto também é um roubo porquê é cobrado integralmente.

    • Olá Moacir,
      Obrigado por seus comentários. O custo da água tem subido em todo o Brasil e a questão do consumo mínimo é justificada para manutenção do sistema e disponibilidade da água. Porém, sobre a parcela mínima, consumida ou não também é acrescida da parcela de esgoto cobrada na fatura.
      Nos próximos anos os reajustes da Sanepar já estão acordados (2,11% aa + correção). Então, o melhor que podemos fazer é começar a usar e reusar a água de forma sustentável. Cada litro de água que reutilizamos é um litro a menos de água consumido e a quantidade equivalente em esgoto. Se passarmos a realizar a coleta da água da chuva, economizamos ainda mais, pois esta água não passará no hidrômetro e poderá ser utilizada para diversas atividades como lavagem do quintal, rega de jardim e lavagem do carro.
      Não discuto que ter água de qualidade disponível em casa ao abrir a torneira é ótimo, porém cabe a nós utilizarmos de forma sustentável.
      #PorUmMundoMelhorHoje

  2. isagon asaph disse:

    Os ladroes estao dentro da politica e ninguem faz nada porque?? Nos consumidores temos que agir e nao ficar ouvindo lorota o maior canalha ladrao.sao os politicos sem escessao.falou mao na arma e revolucionar esse parana..

    • Olá,
      O aumento das faturas de água e esgoto realmente impactam diretamente no bolso de todos nós. Não podemos abrir mão deste recurso valioso, então a proposta é utilizar de forma consciente e sustentável. Economizando, reutilizando e aproveitando a água da chuva onde possível. Assim também vamos contribuir para o meio ambiente.
      Obrigado pelo comentário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *